REVIEW | 68 Kill (2017)

Mais uma excelente surpresa para 2017. Incluído na programação do MOTELx deste ano, decidi desde início não o perder - apesar de o trailer não apresentar grandes promessas, a curiosidade em ver algo diferente falou mais alto. E foi isso mesmo que 68 Kill entregou, um filme diferente, arrojado e cheio de humor negro. Com um elenco óptimo e um enredo que não apresenta falhas, é um filme a não perder. 

Em 68 Kill, Chip (Matthew Gray Gubler) é um rapaz pacato que ganha a vida como canalizador. Encontra em Liza (AnnaLynne McCord) a mulher dos seus sonhos - mesmo que esta tenha um "sugar daddy" a quem recorrer quando o dinheiro é escasso. Ambas as suas vidas se viram do avesso quando Liza tem o plano de roubar 68 mil dólares ao seu "sugar daddy" - sendo suposto ser um assalto fácil, de entrada por saída. Assim que entram em casa do homem, no entanto, as coisas começam a correr mal, e com dois mortos e uma rapariga no porta bagagens, Chip tem de se preparar para aquela que será a noite mais longa da sua vida. 

Sinopse apresentada, vamos então falar do que realmente importa. Começo pelo elenco, que apesar de composto por alguns actores já bem conhecidos foi uma pequena surpresa neste registo. Matthew Gray Gubler (Mentes Criminosas) no papel de Chip é um casting perfeito, uma vez que o actor entrega-nos um homem facilmente manipulado por todas as mulheres que o rodeiam ("choninhas", até), que com todos os acontecimentos daquela noite fatídica evolui, literalmente, da noite para o dia.

Na outra ponta temos Liza, a namorada louca interpretada por AnnaLynne McCord. A actriz, que já nos era conhecida da série 90210, tinha já entregue uma performance irrepreensível no filme Excision, de 2012 (e no qual Gubler também entrou). Por esse motivo, as expectativas em relação à mesma neste filme eram bastante elevadas - e conseguiu não desiludir. Como Liza, McCord é quase a personificação da loucura, entregando momentos de puro terror a Chip e momentos de comédia hilariantes à audiência. Por fim no que respeita ao elenco, temos ainda Alisha Boe, conhecida da série 13 Reasons Why (onde interpreta Jessica). Aqui é realmente a breakout star, com uma presença muito forte no filme que nos deixa a pensar que cedo a iremos ver em muito mais (e melhores) papéis.

É um filme refrescante, com personagens femininas muito fortes e poderosas - resultando quase numa ode feminista disfarçada. O final é igualmente surpreendente, levando um muito aguardado twist que ainda assim nos deixa surpresos. No seu todo, 68 Kill resulta num filme que não é para todos - os facilmente ofendidos vão ficar facilmente ofendidos. É loucura do princípio ao fim, não apresentando momentos mortos e completando o enredo sempre a cada cena. Para não falar do humor altamente negro e de língua afiada, que fez as delícias da sala.


1 comentário:

Beatriz Martins disse...

Não conhecia mas fiquei mega curiosa!!

Passa pelo blog e aproveita a oportunidade de ganhar vários prémios fantásticos. A participação é mega simples. Vais adorar!!

http://abpmartinsdreamwithme.blogspot.pt/2017/09/mega-sorteio-de-regresso-as-aulas.html

Beijinhos

Com tecnologia do Blogger.