REVIEW | Fifty Shades Darker (2017)

abril 17, 2017
O mais recente capítulo da saga Fifty Shades of Grey (As Cinquenta Sombras de Grey) já chegou e fez furor um pouco por todo o mundo. Promete mais cenas tórridas e o florescer do romance entre Anastasia Steele e Christian Grey. Claro que quem leu os livros estaria ansioso por esta estreia (mesmo quem não leu) - a expectativa não era alta, e mesmo assim cumpriu no geral a expectativa. Ora vejam. 

Em Fifty Shades Darker continuamos a acompanhar a história de amor entre Anastasia Steele e Christian Grey, conhecendo um pouco mais do passado de Christian e da sua luta contra o mesmo. Claro que, numa saga de três, a trama adensa-se neste capítulo, com a relação dos dois a ser alvo de vários antagonistas. Conhecemos finalmente Elena Lincoln (Mrs. Robinson), Leila Williams e Jack Hyde - as três personagens que vão "animar" ainda mais a vida do casal. E, sinceramente, apesar de já me ter habituado ao erro de casting que foi Jamie Dornan, acho que estes três não foram assim tão mal escolhidos quanto isso. 

Ora, como a expectativa não era muito alta, tenho de confessar que fiquei surpreendida com alguns aspectos neste filme. Primeiro, notam-se largas melhorias na interpretação de Jamie Dornan - em vez de robot, já parece humano. Já sorri, já muda de expressão facial de vez em quando, e no geral tem uma interpretação sobejamente melhor. A outra grande surpresa para mim acabou por ser a qualidade em termos de realização. O primeiro filme deixou muito a desejar, e fiquei contente quando Sam Taylor-Johnson foi substituída por James Foley. Continua a não ser a última coca-cola do deserto, mas o trabalho é bem melhor. Os créditos iniciais, que fazem clara homenagem a Twilight, também são bem melhores. 

Depois, houve coisas que se mantiveram idênticas entre um filme e outro. Dakota Johnson está longe de ser má actriz, e foi bem escolhida para esta saga (quem diria?) e a banda sonora continua muito, muito boa. Mas claro que os fãs dos livros vão apontar que falta alguma coisa - nomeadamente uma certa cena numa mesa de bilhar - no entanto, há que esperar por uma versão alargada para ver algo de diferente. E no geral está lá tudo. 

Fifty Shades Darker superou em vários aspectos a minha expectativa inicial. Em resumo, é melhor que o primeiro filme em muita coisa - e se forem como eu, prometo que não vão ficar desiludidos. No entanto, não esperem nenhuma oitava maravilha do mundo...


Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.